moez chakchouk

 30-03-2020

O Diretor-Geral adjunto da UNESCO para a Comunicação e Informação expressou hoje a sua preocupação com a segurança dos jornalistas durante a cobertura da crise sanitária mundial causada pela COVID-19.

"O papel desempenhado pelos jornalistas para informar o público durante a atual crise é absolutamente crucial", declarou Moez Chakchouk, salientando que o trabalho jornalístico pode salvar vidas na presente situação de emergência.

"A segurança física e psicológica dos jornalistas deve vir primeiro", afirmou Moez Chakchouk. As organizações de meios de comunicação social devem assegurar que os seus jornalistas têm formação em matéria de precauções sanitárias e que dispõem de equipamento de proteção. Durante as reportagens sobre o vírus, a segurança dos jornalistas deve ser uma prioridade.

Também lembrou que os Estados e os responsáveis devem garantir a segurança dos jornalistas enquanto asseguram a cobertura da crise sanitária e as suas implicações sociais, em conformidade com as normas internacionais em matéria de liberdade de expressão.

Além das preocupações com a segurança física, os jornalistas trabalham em condições de grande tensão psicológica. Enquanto alguns jornalistas trabalham sob pressão para cobrir uma situação em constante mudança, outros preocupam-se com a segurança dos seus empregos.

Os jornalistas freelance são particularmente vulneráveis em termos de segurança física e psicológica, pois nem sempre têm acesso aos mesmos recursos e apoio que os jornalistas assalariados.

Moez Chakchouk afirmou que a liberdade de imprensa é hoje mais importante do que nunca, e apelou a todos os Estados-Membros para garantirem que os jornalistas possam realizar reportagens sobre o COVID-19 sem interferências. Declarou ainda "Em tempos de crise sanitária, a importância de um jornalismo rigoroso e confiável deve ser valorizada".

O Diretor-Geral adjunto da UNESCO também sublinhou a importância de assegurar um ambiente favorável à liberdade de imprensa para que os jornalistas possam relatar a crise de forma independente, e incentivou os governos a aumentar a quantidade de informação disponível ao público.

"O Relatório da Diretora-Geral da UNESCO sobre a Segurança dos Jornalistas e o Perigo da Impunidade, a ser publicado ainda este ano, irá destacar a questão da proteção dos jornalistas durante esta pandemia", anunciou Moez Chakchouk.

A UNESCO e os seus parceiros estão a desenvolver um conjunto de iniciativas que serão lançadas nas próximas semanas para responder a estas preocupações.

A UNESCO promove a segurança dos jornalistas através das medidas de sensibilização mundiais e o reforço das capacidades, bem como através de uma série de ações no âmbito do Plano de Ação das Nações Unidas sobre a Segurança dos Jornalistas e a Questão da Impunidade.

  • Partilhe